Voltar a Calle Serrano, quase treze anos depois - .

03 dezembro 2022

Voltar a Calle Serrano, quase treze anos depois

Madrid, Calle Serrano, janeiro de 2010

Madrid, Calle Serrano, outubro de 2022

Quase treze anos depois, voltei a Calle Serrano.

Foi em janeiro de 2010 que eu ganhei um concurso promovido pelo canal Sony e fui a Madrid, com tudo pago, buscar o prémio- escolher uns Manolo Blahnik. Não é novidade e já escrevi muito sobre isso. Foi, aliás, o motivo do blogue Gira aos Quarenta ter nascido. 

Na altura, eu tinha trinta e nove anos e nunca tinha posto os pés em Madrid. Deslumbrei-me com o que vi e com os sapatinhos que trouxe, mas que calcei em pouquíssimas ocasiões. E, olhando hoje para a foto de 2010, quão diferente me vejo hoje. E não, as diferenças que noto não são físicas.

Voltei a Calle Serrano este outubro e quis ir à loja que ficava num bonito pátio, por onde se entrava pelo nº58. Portão fechado, tal como a loja. É que, atualmente, a marca Manolo Blahnik quase só se encontra online, visto que até a icónica loja de Nova Iorque, onde Carrie Bradshaw fazia as suas compras e onde foram gravadas algumas cenas da série " O Sexo e a cidade", fechou.

Sinais dos tempos é o que se costuma dizer, não é?

Mas, escrevia eu, noto diferenças na mulher que sou hoje- menos loura, mais leve, menos deslumbrada com marcas, mais atenta aos outros, e mais sábia, mesmo que sabendo que tenho ainda tanto para aprender.

Se queria voltar no tempo? Nem por um instante. Tenho cinquenta e dois anos e ainda sou uma portuguesa que vivo com a mania que tenho de ter a casa arrumada, exigente comigo profissionalmente, a tentar ser a melhor mãe, mulher, filha e amiga que consigo. Sou, também, contudo, uma mulher que sabe agora que os Manolo Blahnik das séries são desconfortáveis e que, por mais que continue a gostar de saltos altos, sabe que é com pés na terra ou na areia, que se sente verdadeiramente feliz.

Criei um blogue com receio de envelhecer e estou, hoje, a gostar tanto de o poder fazer. 

Voltei a Calle Serrano e vi que fechou a loja dos sapatinhos de sonho. Não me deixou triste, porque sei que, independentemente do que eu calce, está bem aberta a minha vontade de viver.






2 comentários:

  1. Adorei o post! Parabéns!
    Está muito bem assim, sem os Manolo. Continue a saber envelhecer porque pouca gente consegue essa proeza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Um grande beijinho e votos de um excelente 2023

      Eliminar