Lição nº7-Críticas, lágrimas e o poder do elogio - .

15 novembro 2020

Lição nº7-Críticas, lágrimas e o poder do elogio




Ontem, falava com a minha amiga Xana sobre o poder das boas palavras e tive vontade de vir aqui partilhar convosco a decisão que tomei há dias- tentar elogiar mais e escolher bem as palavras antes de criticar (é difícil).

Conto-vos duas histórias que se passaram comigo.

Uma, tinha eu vinte e poucos anos e acabara de me iniciar nas aulas de Step. Entrei já as alunas andavam há uns tempos e via-me à nora para lhe acompanhar os passos- básico, chuta, passo em V, passo em l, cruza o step...eu sei lá. O que sei é que um dia a professora me deu um raspanete porque eu estava desconcentrada (probabilidades muito altas disso ter acontecido, confesso), eu abandonei a aula de Step a chorar baba e ranho e nunca mais lá pus os pés.

A segunda passou-se há muito pouco tempo. Quando fiz cinquenta anos, ofereci-me um curso de escrita online. Pois muito bem, num certo dia, em que talvez eu me sentisse mais frágil ou as hormonas estivessem a fazer das suas, ao receber a opinião da formadora sobre o meu texto, as lágrimas começaram a querer saltar-me dos olhos. A formadora sempre  foi muito querida e correta, mas naquele momento eu senti que ela só elogiava os textos dos outros e criticava os meus. Passou-me num instante, mas a partir daí tenho pensado mais no assunto e tentado ter mais cuidado com o que digo aos outros (e principalmente aos meus filhos e alunos).

Tenho a certeza que já magoei muita gente, mas é meu propósito agora elogiar mais e isso vale também para as redes sociais. É que há pessoas que vêem uma foto, lêem um post e nem um clique. São avarentas com as palavras e com os gostos.

Eu não me queixo pois tenho os melhores leitores do mundo, mas sei que isso acontece e que às vezes um elogio numa foto, um passar por alguém e dizer-lhe que está bonito, que gosta do que faz, pode ajudar a dar luz a um dia de trevas. Quanto a mim, tenho tido mais cuidado e já iniciei o movimento do elogio na minha mente. Quem se junta?



4 comentários:

  1. Já começaste, e antes de começares já eras assim. Uma palavra na hora muda tudo na hora certa ou na errada. Sempre foste o que és Provavelmente nos primeiros anos, infâcia e adolwscência, não tinhas o treino suficiente, a lição sabida, quando subias ao palco.
    O que ganhaste com o tempo foi saber arrecadar melhor o cloreto de sódio(?). Mas nunca se sabe de emoções, comoções, nem porque vêm embaracar-nos. É bom tê-las, é sinal de vitalidade. Até as pedras se orvalham, tenho a certeza. Tu não és pedra, és uma mulher inteira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido amigo,
      Fico sem palavras para te agradecer o carinho.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Há muito que tento seguir esse lema: se é para elogiar, tudo bem, se é para criticar... pensa duas vezes. Nem sempre assim fui, na adolescência e na juventude dizia tudo o que me vinha à cabeça, digamos que não tinha filtros. Hoje, ou melhor desde os meus trinta e tal, perto dos quarenta, comecei a mudar e sinto-me muito melhor. Posso dizer com toda a certeza que a idade me trouxe/traz serenidade, bom senso e a tentativa diária de me colocar no lugar do outro. Sou uma pessoa diferente (para melhor, penso), mais feliz, mais confiante e muito mais tranquila, sempre pronta a ajudar nem que seja com um sorriso ou uma simpática palavra. Beijinho, Sofia, espero ver-te por aqui, mais vezes, já que é a única "rede social" que "domino", não tenho tempo, nem "pachorra" para outras. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei tanto do teu comentário.
      Obrigada.
      Sofia

      PS Vou tentar vir aqui mais vezes:)

      Eliminar