gira aos quarenta

21 fevereiro 2018

Os heróis vivem na casa ao lado

fevereiro 21, 2018 0
Os heróis vivem na casa ao lado

Muitas pessoas mandaram mensagem para eu publicar o texto que eu escrevi para o jornal local.
Devo acrescentar que o visado gostou muito, mesmo tendo chorado um bocadinho quando, em voz alta, lho leram no café da minha aldeia.

Os heróis vivem na casa ao lado

Para algumas pessoas os heróis são cantores de baladas, para os mais novos talvez sejam  youtubers, para outros talvez sejam quem conduz o carro mais veloz. Quanto a mim, sempre procurei (e encontrei, heróis que vivem mesmo ao meu lado.

O herói da minha crónica de hoje chama-se António, conduz um carro já antigo ou uma bicicleta, não usa capa nem espada, nunca foi condecorado nem teve louvores oficiais e dificilmente terá a sua história de vida registada em película cinematográfica. 

O António, que partilha comigo o apelido mesmo não sendo da minha família, mas que é mais conhecido como Tóino da Raquel, é um homem que nasceu na minha aldeia há mais de oitenta anos e que perdeu quem lhe deu vida pouco depois de nascer, uma vez que a sua mãe foi assassinada por uma ciumenta mulher da aldeia vizinha.

Este início de vida trágico, digno de novela, poderia ter entristecido para sempre o António. Contudo, a resiliência e a força do querer fizeram com que ele escolhesse enfrentar a vida com sorrisos e gargalhadas. E é com uma gargalhada comovedora que ele me conta que conheceu os seios de muitas mulheres da aldeia pois foi assim que, alimentado ao peito, com poucos dias de existência, foi sobrevivendo numa época em que leite em pó e biberões não se conjugavam com a vida de uma aldeia dos anos trinta.

Descalço, com tenra idade, caminhou para a Marinha Grande, fez-se mestre fazendo da areia cavalinhos e copos de vidro colorido e fez-se homem também. Mais tarde, emigrou para a Alemanha com a sua Raquel que lhe deu o acrescento ao nome e três filhos. Voltou há uns anos para a aldeia de menino, sem ressentimentos, sem mágoas, com um sorriso franco, generoso, em paz. Joga as cartas, distribui piropos, anda na natação,é bailarino exímio, perfuma-se e inspira-me. É que ele nunca deixou que a falta de colo e a infância marcada pela fatalidade lhe marcassem o percurso e a bondade com que trata os outros.  
E é por isto, que pode parecer tão pouco, mas que para mim é tanto, que o Tóino da Raquel é um herói. Um herói que vive em mim, que irrompe no meu pensamento quando o desânimo me assalta e que me faz querer ser, a cada dia, uma mulher mais agradecida pelos heróis de carne e osso de que a minha vida está cheia.

19 fevereiro 2018

Ainda a Irlanda- uma sugestão importante

fevereiro 19, 2018 0
Ainda a Irlanda- uma sugestão importante
Já cheia de saudades, deixo aqui umas fotos e uma sugestão importante: tentem alugar um carro e conduzir pelas zonas mais rurais da Irlanda. Sim, sim...eu sei que falar é fácil pois quem conduz é o Luís... No entanto, deixem-me dizer que conduzir à esquerda exige mais atenção é certo, mas como na Irlanda não há tanto trânsito como na Inglaterra penso que, se não forem muitos distraídos, é possível. É que os scones, os cheiros, o verde da Irlanda...tudo parece parece mais intenso longe das grandes cidades.


Desta vez, até eu me estranhei e pedi para fugir da cidade e, quanto a lojas...nem quis saber!













15 fevereiro 2018

Boas ideias

fevereiro 15, 2018 1
Boas ideias

Normalmente, a H&M costuma entregar um vale de 5 Euros por cada saco de têxteis que se entrega (eu levo normalmente roupa que já não está em condições para alguém voltar a usar, roupa interior, panos de louça...)- Mas, agora, até dia 25 de fevereiro, cada saco de roupa vale 10 Euros (a descontar numa compra superior a 30 Euros).
E eu já ando com ideias...










14 fevereiro 2018

Amar assim...

fevereiro 14, 2018 0
Amar assim...
.

Leiria, foto de Samanta Batista

Hoje é dia dos namorados...
Hoje é dia de até já, meu amor..

13 fevereiro 2018

Irlanda-o que eu mais gosto

fevereiro 13, 2018 1
Irlanda-o que eu mais gosto

- Os irlandeses são muito simpáticos: cumprimentam-me na rua, metem conversa comigo nas lojas, elogiam o cabelo do Gonçalo, deram-me uma moeda antiga para o carrinho do supermercado quando eu estava de volta da carteira à procura de uma);

- São educados no trânsito ( é impressão minha, talvez, mas parece que sorriem sempre ao ver o meu ar apalermado a atravessar a rua -nunca sei de que lado surgem os carros);

- A cada esquina há um monumento a lembrar tempos passados e, ao mesmo tempo, há grafites/pinturas a lembrar dias de hoje;

-As lojinhas de comércio tradicional;

-As estradas que nos levam, a serpentear, até ao mar;

- O leite , o queijo e a cerveja (a que mais gostei chama-se Clonmel);

- Os pubs onde se janta e se ouve  música ao vivo;

- O provérbio" se não gostas do tempo irlandês, espera cinco minutos".


Atenção que tenho passado estes dias numa cidade pequena, a experiência de quem vive/está na capital deve ser diferente.

12 fevereiro 2018

Irlandando...

fevereiro 12, 2018 2
Irlandando...
O Luís vive em New Ross, uma cidade pequenina da Irlanda, terra de antepassados de John F. Kennedy, que fica a cerca de duas horas de Dublin. Perto fica Waterford que foi fundada pelos Vikings e que é a cidade mais antiga  da Irlanda. 
Está frio e o tempo é caprichoso (já apanhámos sol, chuva e neve). A solução passa por ter gorro, cachecol e luvas sempre à mão e ir pondo ou tirando conforme a situação (rimei!). Estamos os quatro e não há frio que nos vença!

NEW ROSS


WATERFORD